abril 08, 2006

livro de histórias


Tem lá dentro a água de todos o canais de Veneza, a espessura cremosa de quatro cappucinos, o som vivo da voz da Té, as pombas de S. Marcos, o riso do vento espalhado na cara e nos cabelos no vaporetto de regresso...
flores pequeninas sobre uma pele líquida e luminosa ao cair da tarde, um ar de outro tempo, outro lugar... não lhe resisti... tinha que guardar aquele dia imenso.

9 comentários :

Anónimo disse...

VENEZA

Que música serias
se não fosses água?

Eugénio de Andrade
Escrita da Terra

Kaia disse...

Ai, era tao bom ter uma carteira magica onde guardar todas as lembrancas boas ! Ai, era tao bom poder congelar os momentos felizes e poder descongelalos sempre que tivessemos a precisar de um sorriso... Ai , era tao bom poder ter-te dentro de uma carteira linda as flores e levar-te comigo para todo o lado... e espreitar la para dentro sempre que pensasse em ti... Cucu !

Arion disse...

Obrigado pela visita ao meu blog, cá estou a retribuir. E gosto! Vou linkar-te! :)

UrsaM disse...

Vim aqui seguindo o fio vermelho, para agradecer o pedacinho de linha que ficou, em ideália, entre as letras. Vou guardá-lo em minha bolsa de Blog!

Poetisa da vida quotidiana!
Dora, que tal um diário poético que ensinasse às gentes como a vida pode ser bela?
Publica sim?

Ou então podes construir, vender ou alugar bolsas para quem não as encontra...e não sabe fazer!

Guardei o pedacinho de linha vermelha junto as artérias, perto do coração!

um carinho, Angela

Alexª disse...

Veneza... é para lá que vou. Quero encontrar um livro de histórias como esse que nos mostras.
:))))

katraponga disse...

Conta-nos mais histórias como esta...

kikazinha disse...

Essa mala é lindaaaaaaaaaaa

125_azul disse...

E guardou tudinho dentro da bolsa-coração? Que bom!

Fábia S disse...

Mas você sabe que entre perdas e ganhos descobri que a memória é o maior bem que possuimos. Transporte instantâneo, riso de bolso. Beijo, Fábia.