novembro 27, 2016

( dancing would be ok ... great... wonderful!)

 
( by yves saint laurent - introducing ballerine shoes )

novembro 10, 2016

"how we spend our days is, of course, 
how we spend our life"
Annie Dillard 









via brain pickings / img. elena odriozola

agosto 10, 2016

( verão )

algo existe num dia de verão,
no lento apagar de suas chamas,
que me impele a ser solene.
algo, num meio-dia de verão,
uma fundura - um azul - uma fragrância,
que o êxtase transcende.
há, também, numa noite de verão,
algo tão brilhante e arrebatador
que só para ver aplaudo -

e escondo minha face inquisidora
receando que um encanto assim tão trêmulo

e subtil, de mim se escape.

Emily Dickinson
(tradução de Lúcia Olinto)

img. dora

abril 30, 2016

sur le chemin de l'école

 
Um filme. Mais informações, aqui.

março 31, 2016

my shadow ... can.

Sometimes shadows can do things I cannot do.
If there is something I want to and I cannot,
maybe my shadow can do it.


The Shadow Book by Beatrice Schenk de Regniers and Isabel Gordon (photos)

fevereiro 16, 2016

“ you don’t spell it you feel it ”


Piglet: how do you spell love?
Pooh:  you don’t spell it you feel it.

- Winnie The Pooh

janeiro 15, 2016

.

 img. dora












What we call the beginning is often the end. And to make an end is to make a beginning. The end is where we start from.
— T.S. Eliot


janeiro 01, 2016

dezembro 31, 2015

ahora contaremos doce



















Ahora contaremos doce
y nos quedamos todos quietos.
Por una vez sobre la tierra
no hablemos en ningun idioma,
por un segundo detengamonos,

no movamos tanto los brazos. 
Seria un minuto fragante,
sin prisa, sin locomotoras,
todos estariamos juntos

en una inquietud instantanea.    
Los pescadores del mar frio
no harian danio a las ballenas
y el trabajador de la sal

miraria sus manos rotas.   
Los que preparan guerras verdes,
guerras de gas, guerras de fuego,
victorias sin sobrevivientes,
se pondrian un traje puro
y andarian con sus hermanos

por la sombra, sin hacer nada.   
No se confunda lo que quiero
con la inaccion definitiva:
la vida es solo lo que se hace,

no quiero nada con la muerte.   
Si no pudimos ser unanimes
moviendo tanto nuestras vidas,
tal vez no hacer nada una vez,
tal vez un gran silencio pueda
interrumpir esta tristeza,
este no entendernos jamas
y amenazarnos con la muerte,
tal vez la tierra nos ensenie
cuando todo parece muerto

y luego todo estaba vivo.    
Ahora contare hasta doce
y tu te callas y me voy.

pablo neruda, "a callarse" 
img, silvia  bolognesi

dezembro 01, 2015

la double vie

Eu não sou eu. 
Eu sou aquele que anda ao meu lado sem que eu o veja,
a quem, às vezes, visito e, às vezes, esqueço.
Sou aquele que cala quando falo, 

que mansamente perdoa quando odeio, 
que vagueia por onde não estou, 
que permanecerá de pé quando eu morrer."
Juan Ramon Jimenez

novembro 19, 2015

the chromatic diet


 An artistic creation of the writer Paul Auster and the visual artist Sophie Calle

novembro 15, 2015

o caderno do jardineiro

tudo no meu corpo é ânsia de colo 
sou a mãe e a criança misturadas no amor 
amo a mim mesma condoída
como a um próximo distante
amo o que neste corpo velho já fui
o bicho também 
e assim
o amor se estende às pedras
à árvore vergada de frutos e à água
e é tudo amor por mim mesma
ou será amor

Angela Lago vai lançar seu primeiro livro de poemas
Escritora, ilustradora e tradutora de Rainer Maria Rilke e Emily Dickson, a mineira Angela-Lago, conhecida por seus delicados livros para crianças, estreia na poesia com O Caderno do Jardineiro, no início de 2016, pela SM. Foram os novos ares – desde o ano passado, ela vive na pequena Vila do Biribiri, perto de Diamantina – que a inspiraram a experimentar o gênero. A obra traz 26 poemas sobre flores, com ilustrações que exploram a ideia de transparência e incompletude feitas com base em fotografias. Este poema chama-se "Árvore Vergada".

( via Babel )

novembro 11, 2015

a silent love story ( to whisper )

THE CAT AND THE MOON
by: W. B. Yeats (1865-1939)
      HE cat went here and there
      And the moon spun round like a top,
      And the nearest kin of the moon,
      The creeping cat, looked up. 
       
      Black Minnaloushe stared at the moon,
      For, wander and wail as he would,
      The pure cold light in the sky
      Troubled his animal blood.
      Minnaloushe runs in the grass
      Lifting his delicate feet. 
       
      Do you dance, Minnaloushe, do you dance?
      When two close kindred meet,
      What better than call a dance?
      Maybe the moon may learn,
      Tired of that courtly fashion,
      A new dance turn. 
       
      Minnaloushe creeps through the grass
      From moonlit place to place,
      The sacred moon overhead
      Has taken a new phase.
      Does Minnaloushe know that his pupils
      Will pass from change to change,
      And that from round to crescent,
      From crescent to round they range? 
       
      Minnaloushe creeps through the grass
      Alone, important and wise,
      And lifts to the changing moon
      His changing eyes. 
       

outubro 04, 2015

e o eleito foi ....

( ... ou como se explicam as eleições a quem acabou de fazer 5 anos ).
3 candidatos bonecos-bichos cá de casa, com discursos convicentes; 4 eleitores ( entre eles a vaca que ri do queijo de triângulos que estava a comer, por falta de quem desempatasse ); 4 boletins de voto preenchidos em -quase- segredo; uma bela e colorida caixa de tupperware com tampa a fazer de urna; uma muy solene contagem de votos. O cargo a concurso era o de presidente da casa que toma conta da Rosinha (a gata de verdade) quando nenhum de nós cá está. Foi por isso que o leão de tricot não pôde ir com ela à escola secundária onde, dentro da "casinha" com a mamã, fez uma cruz muito direitinha nuns desenhos "muito menos giros que os nossos".

setembro 27, 2015

If you want the life you have, don’t date a mystic woman

If you want the life you have, don’t date a mystic woman.
A mystic woman is a wild creature. She spends all her life seeking, for there is nothing else worth doing. She peers and gazes until she falls from the edge of the world, and into the next. Over and over. Each time she returns, she is a little different. What she sees must change her. She dies every moment. She is reborn every day. Can you even begin to fathom the terror and the faith commanded from such a being? Can you even begin to understand what such a life can do?
If you want the life you have, don’t date a mystic woman.
If you are comfortable and cozy, stay away. Whatever you have built around yourself to create comfort: it cannot stand in the blazing fire of a mystical woman. She is no trophy. She is no bodily pleasure-maker. She is the seer of souls. She is the womb that births the divine into the flesh and bone of matter. She doesn’t mean to burn your village to the ground, but she has seen what you are meant to become. You are not a peasant shearing sheep, as you have thought. You are a king dressed in rags who has amnesia.
If you want the life you have, don’t date a mystic woman.
If she touches you, and all the voices on the wind go silent, if you feel you are in a snow globe when you embrace her, she is your destroyer. She will destroy the false idol you see in the mirror. She will smash it open because it is your prison. If you wish to stay there, she will shatter you another way. She will leave.
If you want the life you have, don’t date a mystic woman.
Everybody wants the magic, but nobody wants the Mystery, the schooling: a thing that must be lived in a place where book knowledge has no meaning, for all books are manuals to the world you already know. That means, the well-honed intellect — the masculine theory of reason — will not save you, cannot free you. It is for a world whose time is over. The Mystery, by its very nature, must show you what has never been seen, never been written, never been known, because before you were forged, it was impossible. The arts of women have been called the dark arts for too long, and they are the keys to infinity. Infinite form. Infinite being. Infinite life.
If you want the life you have, don’t date a mystic woman.
If your dreams are not filled with the Mystery, you are better off with a normal life, because she will see things that are invisible to you. She will feel things that you cannot feel beneath the layers of numbness you have wrapped yourself in. She will call upon your true self, your real soul, and she will sing it down into you, into herself and life will open up, for this very moment...
Alison Nappi

img. bianca brunner

setembro 24, 2015

loba & lorca

a r l e q u í n


Teta roja del sol
Teta azul de la luna
Torso mitad coral,
mitad plata y penumbra



"Uma viagem entre o dia e a noite, através do corpo, do amor e da morte. Leitura iniciática que abrirá uma nova porta à beleza tanto aos que saboreiam o seu primeiro poema, bebés e crianças, como aos consolidados amantes da arte." 
tradução do texto da editora barbara fiore 

Federico García Lorca. Arlequín.
TresBrujas; ilustrações de André da Loba. 
Granada: Barbara Fiore, 2015

Parabéns André. É Magnifico !

setembro 22, 2015

Pós-Graduação em Livro Infantil: nova edição


Outras informações académicas e contactos encontram-se no site da Universidade Católica.

setembro 16, 2015

"the first time I saw susie..."

video
 20,000 Days On Earth - 2014 (Nick Cave on the first time he saw his wife)
 
 ... or the most wonderful love at the first sight declaration:

The first time I saw Susie was at the Victoria and Albert Museum in London. And when she came walking in, all the things that I have obsessed over for all the years, pictures of movie stars, Jenny Agutter in the billabong, Anita Ekberg in the fountain … Miss World competitions, Marilyn Monroe and Jennifer Jones and Bo Derek … Bolshoi ballerinas and Russian gymnasts … the young girls at the Wangaratta pool lying on the hot concrete, all the stuff I had heard and seen and read … all the continuing never-ending drip-feed of erotic data … came together at that moment, in one great big crash bang, and I was lost to her. And that was that.

setembro 14, 2015

wor(l)d

" How close up to the world can we get with our words? 
  How close to us can the world get with its words? "
Paul Matthews














 img. emily hughes  

julho 31, 2015

"if something burns your soul 
with purpose 
and desire, 
it's your duty to be reduced to ashes by it."
Charles Bukowski
img. mary margaret briggs

julho 05, 2015

my other alice

"Look, can I ask you a question? Sure. What? Are you happily married? Or is that tactless? No. Yes. Yes, I... Gosh, I've been married almost 16 years now. years. Oh. Well, that... that's great. Yeah. No, really. - Well, a good marriage, it's a rare thing. - Yeah. Why did you get divorced? Well, my wife and I, we were both too opinionated. She's... very brilliant. Uh-huh. And attractive? Yes. - And very sexy. - Uh-huh. And when you're with her, do you... ...do you still have the urge to be with her? - No. - No? No? You never have the urge to... to grab her? Like, you know, if the two of you are in her office or something? Or, I don't know, you know, just... throw her down on the couch or something? For old times' sake? God, you are interesting."
"Alice" by Woody Allen (1990) - the circus scene (script extract).

junho 24, 2015

abrazo

"Oriol Vall, que se ocupa de los recién nacidos en un hospital de Barcelona, dice que el primer gesto humano es el abrazo. Después de salir al mundo, al principio de sus días, los bebés manotean, como buscando a alguien. 
Otros médicos, que se ocupan de los ya vividos, dicen que los viejos, al fin de sus días, mueren queriendo alzar los brazos. Y así es la cosa, por muchas vueltas que le demos al asunto, por muchas palabras que le pongamos. A eso, así de simple, se reduce todo: entre dos aleteos, sin más explicación, transcurre el viaje." 
"El viaje" . Galeano.  by Calle 13

junho 21, 2015

solstício *





























(poema de antónio torrado)

junho 18, 2015

onde o fogo
de um verão
muito antigo
cintila,
a boca espera
(que pode uma boca
esperar
senão outra boca?)
espera o ardor
do vento
para ser ave,
e cantar.  
eugénio de andrade 

maio 24, 2015

the world as a polka dot

Yayoi Kusama (b 1929) is the most important contemporary artist living in Japan today:
Alice in a polka dot world:

abril 27, 2015

( trust... )

For everything there is a season, and a time for every matter under heaven:
a time to be born, and a time to die
a time to plant, and a time to pluck up what is planted
a time to kill and a time to heal
a time to break down and a time to build up
a time to weep, and a time to laugh
a time to mourn, and a time to dance
a time to cast away stones, and a time to gather stones together
a time to embrace, and a time to refrain from embracing
a time to seek, and a time to lose
a time to keep, and a time to cast away
a time to tear, and a time to sew
a time to keep silent, and a time to speak
a time to love, and a time to hate
a time for war, and a time for peace.


- Ecclesiastes 3:1-8
img. mandana sadat

abril 24, 2015

le livre d'artiste n'est pas un livre d'art

Le livre d'artiste n'est pas un livre d'art.
Le livre d'artiste n'est pas un livre sur l'art.
Le livre d'artiste est une oeuvre d'art.

Guy Schraenen

images from: A Moon or a Button? 
Ruth Krauss with Remy Charlip (images), 1959

abril 16, 2015

moon !

A Moon or a Button?
Ruth Krauss with Remy Charlip (images), 1959

março 30, 2015

março 08, 2015

para a tristeza...

“Decía mi abuela que cuando una mujer se sintiera triste lo mejor que podía hacer era trenzarse el cabello; de esta manera el dolor quedaría atrapado entre los cabellos y no podría llegar hasta el resto del cuerpo; había que tener cuidado de que la tristeza no se metiera en los ojos pues los harìa llover, tampoco era bueno dejarla entrar en nuestros labios pues los obligaría a decir cosas que no eran ciertas,  que no se meta entre tus manos -me decía-  porque puedes tostar de más el café o dejar cruda la masa; y es que a la tristeza le gusta el sabor amargo. Cuando te sientas triste niña, trénzate el cabello; atrapa el dolor en la madeja y déjalo escapar cuando el viento del norte pegue con fuerza.
Nuestro cabello es una red capaz de atraparlo todo, es fuerte como las raíces del ahuehuete y suave como la espuma del atole.
Que no te agarre desprevenida la melancolía mi niña, aun si tienes el corazón roto o los huesos fríos por alguna ausencia. No la dejes meterse en ti con tu cabello suelto, porque fluirá en cascada por los canales que la luna ha trazado entre tu cuerpo. Trenza tu tristeza, decía,  siempre trenza tu tristeza…
Y mañana que despiertes con el canto del gorrión la encontrarás pálida y desvanecida entre el telar de tu cabello.” 
"Trenzaré mi Tristeza", Paola Klug.

Foto:  Candelaria Rivera (in Niqueragua)

março 04, 2015

to make everything you need a cloud.... or a flower

If you are a poet, you will see clearly
that there is a cloud floating in this sheet of paper.
Without a cloud, there will be no rain;
without rain, the trees cannot grow:
and without trees, we cannot make paper.
The cloud is essential for the paper to exist.
If the cloud is not here, the sheet of paper cannot
be here either.
-Thich Nhat Hanh -

         To make a table you need wood, 
         to make wood you need a tree
 
         to make a tree you need a seed, 
         to make a seed you need a fruit
 
         to make a fruit you need a flower, 
         to make a table you need a flower.

 
         To make a flower you need a branch, 
         to make a branch you need a tree
 
         to make a tree you need a forest, 
         to make a forest you need a mountain
 
         to make a mountain you need earth, 
         to make the earth you need a flower
 
         to make everything you need a flower.
 

         - Gianni Rodari -

março 03, 2015

as traseiras do nosso prédio...


















       orientado por richard câmara . informações aqui .

fevereiro 15, 2015

mutazione silente

( Photographer, born in Italy, 1948. At the end of the 80's, his interest in photography begins, focusing in a research of the human representation in connection with nature around it. The images of the themes tackled tell us about a unique time where separations between dreams, reality, Men and animal melt down and uprise into a form of tight cohabitation thus transforming vital energy into ethic tension ).

fevereiro 14, 2015

data

" Mamã, qual é a morada deste dia? "

  ema, 4 anos

novembro 21, 2014

recado aos pais

Haz con tus propias manos
La cuna de tu hijo, 
Que tu mujer te vea 
Cortar el paraíso 
Para colgar del techo 
Como en los tiempos idos 
Que volverán un día 
Hazla como te digo. 
Trabajarás de noche, 
Que se oiga tu martillo, 
“Está haciendo la cuna” 
Que diga tu vecino, 
Alguna vez la sangre 
Te manchará el anillo, 
Que tu mujer la enjugue 
Que manche su vestido. 
Las noches serán blancas 
De columpiado pino
Harás según el árbol
La cuna de tu niño
Para que tenga el sueño En su oquedad de nido, 
Para que tenga el ángel 
En un oculto grillo. 
La obra será tuya,
Verás que no es lo mismo,
Será como tus brazos 
La cuna de tu hijo, 
Se mecerá con aire 
Te acordarás del pino, 
Dirás duerme en mi cuna 
Verás que no es lo mismo.

Poema: José Pedroni 
Música: Damián Sánchez
Vozes:Julián Prados, Omar Hueda, Eduardo Valerdi, Luis Raúl Facello
 

novembro 12, 2014

dialog


"Dialog" is thirteen-piece image sequence by Rudolf Bonvie, 1973.

novembro 03, 2014

as bruxas malvadas fazem bem aos meninos












Este título é perfeito, sim, Rita : ) 
( para o texto da nossa bela conversa sobre bruxas e outros escuros nos livros para crianças com a Rita Pimenta, do jornal Público. Grata pelo espaço de qualidade que continuas a persistentemente dedicar à literatura infantil ).

img. Maurizio A. C. Quarello para o livro da OQO, "A Bruxa Arreganhadentes".

outubro 29, 2014

raízes (?)

Outros que não eu teriam falado de ‘raízes’… Não emprego esse vocabulário. Não gosto de ‘raízes’ e da imagem ainda menos. As raízes enfiam-se na terra, contorcem-se na lama, crescem nas trevas, mantêm a árvore cativa desde o seu nascimento e alimentam-na graças a uma chantagem. ‘Se te libertas, morres!’ As árvores têm de se resignar, precisam das suas raízes; os homens não. Respiramos a luz, cobiçamos o céu e quando nos metemos na terra é para a apodrecer. (…)

Amin Maalouf, Origens.
img. Dora Maar 

Agradeço à Nádia Sacoor esta referência, num belo encontro nosso, ontem.

outubro 27, 2014

peixe lua


"Para onde vai tudo aquilo que imaginamos ? Voa para trás dos Frigoríficos
Encaixa-se atrás de um tijolo Solto
Enfia-se Misteriosamente dentro de uma garrafa Vazia
É levado pelo Vento até ao cais e apanha Boleia de um navio cruzeiro
Descansa dentro dos relógios dos Avós
Passeia dentro dos Livros de receitas culinárias Agarra-se às copas das árvores no Outono
Para onde quer que vá, há uma coisa espantosa que acontece.
As coisas que imaginamos juntam-se magneticamente às coisas que os outros imaginam
e vão–se unindo devagar, formando uma bola imensa que rebola pelo mundo e fica a
boiar na superfície dos oceanos, onde conversa longamente com o único ser que a
entende, com a sua linguagem estranha e sonhadora…"
O Peixe Lua.

Um espectáculo que explora música vocal de diversas épocas e geografias, desde um fragmento
de um coro grego da Oresteia de Eurípides a peças de música contemporânea, passando
por temas tradicionais ou por uma polifonia francesa do séc. XVIII.
Uma expedição por recantos do mundo onde podemos observar o céu e quase tocar a
Lua mas sempre em busca de algo, de um ser fantástico e fascinante que pode estar
muito perto ou pode mesmo ser um sítio dentro de nós.
“PEIXE LUA” avança no tempo e no espaço como um ritual atemporal, um canto
universal, uma constelação tão familiar quanto bizarra…

De e com interpretação de Carla Galvão e Fernando Mota, um sensibilissimo espectáculo (para antes e muito depois dos 6 anos indicados).
Queremos que volte outra vez, para repetir o mergulho e levarmos connosco quem não o viu.

outubro 21, 2014

não há descanso sem amor














não há descanso 
sem amor,
não há sono 
sem sonhos 
de amor
loucos ou indiferentes que sejamos
obcecados com anjos 
ou máquinas,
o derradeiro desejo 
é amor
(...)

Os corpos quentes 
brilham juntos 
no escuro,
move-se a mão 
para o centro 
da carne,
treme a pele 
de felicidade
e vem-se a alma 
exuberante aos olhos
sim, sim, 
era isso 
que eu queria,
que eu sempre quis ,
eu sempre quis,
regressar
ao corpo onde eu nasci.

"Canção" in O uivo e outros poemas de Allen Ginsberg
numa brilhante tradução de Margarida Vale de Gato para a edição Relógio D'Água.
img. colette saint yves

setembro 22, 2014

Pós-Graduação em Livro Infantil: edição 2014 / 2015

 
Outras informações académicas e contactos encontram-se no site da Universidade Católica.

agosto 24, 2014

eu andarilho, nós andarilhamos, tu...

http://palavrasandarilhas.wordpress.com/programa-e-oficinas-pa-2014/ A Cristina conseguiu !
Este Agosto volta a ser das palavras que andam, que correm, que voam e nos levam em romaria encantada até Beja.
Um programa imenso para viver, porque é disso que por ali se trata: celebra-se o modo de estar dos que não sobrevivem sem histórias. Ali se encontram, trocam-nas e multiplicam. Uma espécie de seita onde nos descobrimos todos, porque irresistível é o apelo da matéria de que somos feitos: palavras, corpo, gesto. Quem vai, fica para sempre.

Vamos?
Eu vou, claro.

http://palavrasandarilhas.wordpress.com/2014/08/14/quem-e-quem-22/
Ps. Sobre o festival deste ano, fala a Cristina Taquelim ao Público neste belo artigo acabado de sair.

agosto 19, 2014

reticências

Arrumar a vida, pôr prateleiras na vontade e na acção.
Quero fazer isto agora, como sempre quis, com o mesmo resultado;
Mas que bom ter o propósito claro, firme só na clareza, de fazer qualquer coisa!
Vou fazer as malas para o Definitivo,
Organizar Álvaro de Campos,
E amanhã ficar na mesma coisa que antes de ontem — um antes de ontem que é sempre...
Sorrio do conhecimento antecipado da coisa-nenhuma que serei.
Sorrio ao menos; sempre é alguma coisa o sorrir...
Produtos românticos, nós todos...
E se não fôssemos produtos românticos, se calhar não seríamos nada.
Assim se faz a literatura...
Santos Deuses, assim até se faz a vida!
Os outros também são românticos,
Os outros também não realizam nada, e são ricos e pobres,
Os outros também levam a vida a olhar para as malas a arrumar,
Os outros também dormem ao lado dos papéis meio compostos,
Os outros também são eu.
(...)

Álvaro de Campos
































img. Galileo ("desenhos da lua")

julho 24, 2014

Dicionário de Literatura Infantil e Juvenil














Calhou-me a letra E ( ou não fosse por E que começa o nome dela, mas isso é outra história : ) .
Esta é uma entrada do dicionário em construção que a revista Blimunda vem editando mensalmente. Cada letra é "ilustrada" com palavras por dois convidados. Meu companheiro de E foi o António Mota (podem ver aqui).
Vejam também todas as outras entradas, nos outros números, e tudo o resto nestas revistas, no topo do melhor que se faz em Portugal sobre literatura. São oferecidas online pela Fundação Saramago, com o design soberbo da Silva Designers. Parabéns à Andreia Brites e à Sara Figueiredo Costa, que a escrevem.

junho 25, 2014

18º Prémio Nacional de Ilustração

Foi hoje atríbuido o Prémio Nacional de Ilustração referente às obras publicadas em Portugal no ano de 2013. Venceu António Jorge Gonçalves. As duas menções honrosas foram para João Fazenda e Yara Kono. Muitos parabéns aos três. Foi uma honra fazer parte deste Júri, juntamente com Pedro Saraiva e Maria Carlos Loureiro, representante da DGLAB, organismo oficial responsável por este Prémio.
( A informação oficial pode ser lida aqui. ) 

junho 18, 2014

the extraordinary will take care of itself

Do not ask your children
to strive for extraordinary lives. 
Such striving may seem admirable,  
but it is a way of foolishness.  
Help them instead to find the wonder
and the marvel of an ordinary life.  
Show them the joy of tasting
tomatoes, apples, and pears.
Show them how to cry  
when pets and people die.  
Show them the infinite pleasure
in the touch of a hand.
And make the ordinary come alive for them.
The extraordinary will take care of itself.
William Martin, The Parent’s Tao Te Ching: Ancient Advice for Modern Parents.
img. Nikki Mcclure 

junho 11, 2014

female cloth and other tools



Robes, 2014 (video still)


The Basket, 2014 (video still)



Wet Rag, 2012

In Thai-Australian artist Kawita Vatanajyankur’s three videos The Basket, The Robes and Wet Rag, the artist is both symbolically and literally the material making the work—she is the rag that another woman uses to wash the floor, the wet clothing that is caught in a washing basket, and the fabric that hangs over a line, drying in the breeze (...) Vatanajyankur reframes the way craft and fabric-based production have historically been associated with women’s domesticity and considered a lesser form of creativity than the ‘fine arts’ of sculpture and painting.  ( Stills Gallery )

Soaked, 2012

Poured, 2013

"My series of video work and performance focuses on the female body and its relationship to different elements and everyday objects within various spaces and environments. The experimentations are developed to look at the action and reaction of the body, the transformation of the shape and form of the body that is pressured to merged within the objects and elements until it is changed into a sculpture when affected physically from the elements and objects. The work aims to examine the psychological, corporeal and cultural ways of viewing the human condition. The certain symbols contained in the video are used to reflect the idea of violence, endurance, communication as well as gender."
Kawita Vatanajyankur