janeiro 24, 2007

Não se perdeu nenhuma coisa em mim.
Continuam as noites e os poentes
Que escorreram na casa e no jardim,
Continuam as vozes diferentes
Que intactas no meu ser estão suspensas.
Trago o terror e trago a claridade,
E através de todas as presenças
Caminho para a única unidade.

Sophia , lido aqui.
img. G.Verläg

5 comentários :

intruso disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
holeart disse...

uau!

um post apagado?

uau!

UrsaM disse...

Lindo poema! O nome de Sophia é tão imponente quanto belos são seus poemas."Retrato de uma princesa desconhecida" é contundente.
um beijo, Dora.

intruso disse...

:)

inês leal, 31 anos à volta do sol disse...

curioso... um dos poemas que mais gosto dela...

bom saber que ele mora aqui *