janeiro 18, 2006

pele


Era verão neste papel quando guardei esta imagem no meu tmv.
Era verão também na minha pele.
Passaram-se alguns meses. Mudámos ambos sob este tempo.
Os cartazes que estão colados directamente nas paredes quase ao nível do solo param-me.
Acho que é por causa da escala: o tamanho quase igual ao meu, às vezes maior...
Ou porque são uma pele a envelhecer muito depressa: vê-se nas rugas, nos rasgões, nas bolhas de ar, uma organicidade de ser vivo que me aproxima. Isto vs assépticas perfeições digitais, distantes, protegidas por vidros, sem relevos nem geografia natural.
Facilmente se adivinham aqui os gestos de quem os colou... e há sempre mais do que um cartaz muito juntos. Fico algum tempo perceber o efeito de repetição, as identidades apesar da imagem impressa ser a mesma... Apetece tanto (e posso!) tocar. E logo me nascem inteiros, das palmas das mãos - não da ponta dos dedos - os movimentos sobre esta pele de papel, como quem lentamente alisa a roupa a uma cama para aconchegar.
São peças de museus perecíveis e efémeras, misturadas com ( e como ) a vida real.
Há algum tempo que não encontro nenhum que me arrebate tanto ao ponto de o conservar artificialmente num objecto digital. Toquei-lhe antes... tocou-me... tento guardar isso para além desta bela imagem.
O que será feito desta mulher de papel hoje, já Janeiro?

6 comentários :

wiSHEs&HEros disse...

Realmente, linda!

Moonlight disse...

Era verão na altura, é verão hoje. É verão dentro de mim. Nunca deixa de ser verão dentro de mim. Recordo constantemente aquele verão. O nosso primeiro verão. O verão em que o peixinho dourado viu o sol. O verão em que mil e um sorrisos se esboçaram. Aquele verão.

Creio que a mulher de papel está ainda a viver o seu verão, algures... Assim como nós.

Calais Pedro Family disse...

Um bocadinho de Modigliani e do seu mundo feminino redondo... Um bocadinho de azul-verao...
saudades

luis disse...

O azul faz-me falta, dá-me paz.
Sou de facto um "sortudo" porque posso ter azul quando eu quiser...

Beijo

Luis (Biblioteca Portalegre)

dora disse...

Sim, o vosso espaço de terra é maravilhoso. Gostei muito de estar aí, convosco.

Siddhichandra disse...

gostei muito de passar por aqui

Namastê!

Siddhy