março 06, 2012

( private )

Antes e depois da poética que as imagens proporcionam, penso sobre o "natural" e a ficção que as artes, neste caso a fotografia, fazem acontecer. A instalação e os minutos em a nuvem existiu - in locu a percepção seria bastante menos angélica - e a sua eternização simplificada pela câmera. O azul-céu tão a propósito nas janelas ou nas paredes, o resto do espaço em branco suspenso, ou de forte vermelho a gritar terra. Leis das gravidades e dos cúmulos. Gosto destas ilusões costuradas a linha clara.
Nimbus, do holandês berndnaut smilde, aqui e aqui.

3 comentários :

Anónimo disse...

câmAra

dora disse...

obrigada, mas mantenho o "e", variante possível (http://www.priberam.pt/dlpo/default.aspx?pal=c%E2mera) .

Matilde no topo do bolo disse...

gostei imenso das imagens e da reflexão. Ja "roubei" uma das imagens.